Informação

Este blog tem a modesta pretensão de divulgar somente orações CATÓLICAS, conforme a Santa Tradição da Igreja. Pedimos a caridade de nos informar eventual erro de digitação e/ou tradução, ou link quebrado (vejam o formulário no menu lateral). Gratos.

Pedido

"Aproveitemos o tempo para santificação nossa e dos nossos parentes e amigos. Solicitam orações, que estaremos rezando juntos, em união de orações aos Sagrados Corações."

.


"Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém."

terça-feira, 29 de julho de 2014

Hinos Marianos: o "Ave" de Fátima


HINOS MARIANOS

O "Ave" de Fátima

(A treze de Maio)
  

A treze de Maio
Na Cova da Iria,
Do Céu aparece
A Virgem Maria.


Ave, Ave, Ave Maria!
Ave, Ave, Ave Maria!


A três pastorinhos
Cercada de luz,
Visita Maria,
A Mãe de Jesus.

Das mãos lhe pendiam

Continhas de lu,
Assim era o terço
Da Mãe de Jesus. 

A Virgem nos manda
Seu terço rezar, 
"Assim - diz - meus filhos,
Vos hei de salvar. 

 Vesti com modéstia
Com muito pudor
Olhai como veste
A Mãe do Senhor". 

 
Lá vem a Senhora
Da cova da Iria
Como nova aurora
De paz e alegria.

Deixou lá na serra
Um trono de luz,
Veio à nossa terra
Trazer-nos Jesus.

Por novos caminhos
Anda a mãe de Deus,
Chamando os filhinhos
Ao Reino dos Céus.

A treze de Outubro
Foi o seu adeus,
E a Virgem Maria
Voltou para o Céu.


+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

Oração pela conversão dos Judeus

Deus de bondade, Pai de misericórdia, nós Vos suplicamos, pelo Coração Imaculado de Maria e pela intercessão dos Patriarcas e dos Santos Apóstolos, que lanceis um olhar de compaixão sobre os restos de Israel, a fim de que eles reconheçam nosso único Salvador, Jesus Cristo, e que participem das graças preciosas da Redenção.

Pai, perdoai-os, porque eles não sabem o que fazem. Amém.

(100 dias de indulgência) 



(Fonte: "A conjuração anticristã", Mons. Henri Delassus, Paris – 1910, página 696).

+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

domingo, 27 de julho de 2014

A JESÚS CRUCIFICADO


Delante de la cruz, los ojos míos

quédenseme, Señor, así mirando

y sin ellos quererlo estén llorando

porque pecaron mucho y están fríos.

Y estos labios que dicen mis desvíos

quédenseme, Señor, así cantando,

y sin ellos querer estén rezando,

porque pecaron mucho y son impíos.

Y así con la mirada en vos prendida

y así con la palabra prisionera,

como a la carne a vuestra cruz asida,

quédeseme, Señor, el alma entera

así clavada en vuestra cruz mi vida,

Señor, así cuando queráis me muera.

RAFAEL SÁNCHEZ MAZAS


http://www.catolicidad.com/2013/03/a-jesus-crucificado-poesia-de-rafael.html

+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Quem não tem Maria por mãe, não tem Deus por pai



Por meio de Maria, Deus Pai quer que aumente sempre o número de seus filhos, até a consumação dos séculos, e diz-lhes estas palavras: In Iacob inhabita – Habita em Jacob (Ecli 24, 13), isto é, faze tua morada e residência em meus filhos e predestinados, figurados por Jacob e não nos filhos do demônio e nos réprobos, que Esaú figura.

Assim como na geração natural e corporal há um pai e uma mãe, há, na geração sobrenatural, um pai que é Deus e uma mãe, Maria Santíssima. Todos os verdadeiros filhos de Deus e os predestinados têm Deus por pai, e Maria por mãe; e quem não tem Maria por mãe, não tem Deus por pai. Por isso, os réprobos, os hereges, os cismáticos, etc., que odeiam ou olham com desprezo ou indiferença a Santíssima Virgem, não têm Deus por pai, ainda que disto se gloriem, pois não têm Maria por mãe. Se eles a tivessem por Mãe, haviam de amá-la e honrá-la, como um bom e verdadeiro filho ama e honra naturalmente sua mãe que lhe deu a vida.

O sinal mais infalível e indubitável para distinguir um herege, um cismático, um réprobo, de um predestinado, é que o herege e o réprobo ostentam desprezo e indiferença pela Santíssima Virgem [17] e buscam por suas palavras e exemplos, abertamente e às escondidas, às vezes sob belos pretextos, diminuir e amesquinhar o culto e o amor a Maria. Ah! Não foi nestes que Deus Pai disse a Maria que fizesse sua morada, pois são filhos de Esaú.

Quicumque vult salvus esse, ante omnia opus est ut teneat de Maria firmam fidem (São Boaventura, Psalter. maius B.V., Symbol. Instar Symboli Athanasii).

Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, de São Luís Maria Grignion de Montfort - Capítulo I, arts. 29 e 30.


Fonte: http://confrariadesaojoaobatista.blogspot.com.br

+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

terça-feira, 22 de julho de 2014

Oração pela conversão dos maçons

Senhor Jesus Cristo, que manifestais a Vossa onipotência principalmente pela piedade e misericórdia, e que dissestes: 'Orai pelos que vos perseguem e caluniam', imploramos a bondade do Vosso Sacratíssimo Coração pelas almas que, criadas segundo a imagem de Deus, mas miseravelmente enganadas pela sedução ardilosa dos maçons, andam cada vez mais pelas veredas da perdição. Não permitais, pois, que a Igreja, Vossa Esposa, continue a ser oprimida por eles, mas deixai-Vos antes aplacar pelas súplicas da Santíssima Virgem Maria, Vossa Mãe, e pelas orações dos justos. Lembrai-Vos da Vossa infinita misericórdia, esquecei a malícia deles, e fazei que também eles voltem a Vós, que consolem a Igreja pela mais perfeita penitência, que reparem os seus delitos e alcancem a bem-aventurança eterna. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.

(Fonte: "Manual de Nossa Senhora Aparecida", CSSR, Aparecida – 1954, XV edição, página 284). 

+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

domingo, 20 de julho de 2014

Veni Creator


Veni Creator Spiritus


Veni, Creator Spíritus,
mentes tuórum visita,
imple supérna grátia,
quae tu creásti péctora.

Qui díceris Paráclitus,
altíssimi donum Dei,
fons vivus, ignis, cáritas,
et spiritális únctio.

Tu septifórmis múnere,
dígitus paternae déxterae,
tu rite promíssum Patris,
sermóne ditans gúttura.

Accénde lumen sénsibus;
infunde amórem córdibus,
infírma nostri córporis
virtúte firmans pérpeti.

Hostem repéllas lóngius,
pacémque dones prótinus;
ductóre sic te praevio
vitemus omne noxium.

Per te sciámus da Patrem,
noscamus atque Filium;
teque utriúsque Spíritum
credamus omni témpore.

Deo Patri sit glória,
et Fillio, qui a mórtuis
surréxit, ac Paráclito,
in saeculórum saecula. Amem.

V/ Emítte Spíritum tuum, et creabúntur.
R/ Et renovábis fáciem terrae.

Deus qui corda fidélium Sancti Spíritus illustratióne docuísti: da nobis in eódem Spíritu recta sápere; et de ejus semper consolatióne gaudére. Per Christum dominum nostrum. Amém. 

EM PORTUGUÊS:
Vinde, Espírito Criador,
visitai as almas dos Vossos,
enchei de graça celestial,
os corações que criastes.

Sois o Divino Consolador,
o dom do Deus Altíssimo,
fonte viva, o fogo, a caridade,
a unção dos espirituais.

Com os Vossos sete dons,
sois o dedo da direita de Deus,
Solene promessa do Pai,
Inspirando nossas palavras.

Acendei a luz nos sentidos;
insuflai o amor nos corações,
amparai na constante virtude
a nossa carne enfraquecida.

Afastai para longe o inimigo,
Trazei-nos prontamente a paz;
Assim guiados por Vós
Evitaremos todo o mal.

Por Vós explicar-se-á o Pai,
E conheceremos o Filho;
Dai-nos crer sempre em Vós
Espírito do Pai e do Filho.

Glória ao Pai, Senhor,
Ao Filho que ressuscitou
Assim como ao Consolador.
Por todos os séculos. Amém.

V/ Enviai, Senhor, o vosso espírito e tudo será criado.
R/ E renovareis a face da terra.

Ó Deus, que ilustrastes os corações dos fiéis com as luzes do Espírito Santo, dai-nos, pelo mesmo Espírito, procurar o que é reto, e nos alegrarmos sempre com a sua consolação. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.
  

VÍDEO



Concede-se indulgência parcial ao fiel que recitar devotamente o hino. 

A indulgência será plenária no dia primeiro de janeiro e na solenidade de Pentecostes, se o hino se recitar publicamente. 


+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

Oração de São Boaventura antes da Comunhão

Oração de São Boaventura para a Santa Comunhão

Feri, ó dulcíssimo Senhor Jesus, o mais íntimo e profundo de meu ser com o dardo suavíssimo e salutar do Vosso amor, com aquela verdadeira, inalterável, santíssima e apostólica caridade, a fim de que a minha alma se enlanguesça com o único desejo de sempre crescer em vosso amor.

Que eu vos ame intensamente, que desfaleça nos vossos átrios e deseje dissolver-me em vós e ser um convosco.

Que minha alma tenha fome de Vós, ó Pão dos Anjos, alimento das almas santas, Pão nosso de cada dia, supersubstancial, que tem toda doçura e sabor, e todo deleite de suavidade. Ó Vós a Quem os Anjos desejam contemplar!

Que o meu coração sempre tenha fome e se alimente de Vós, e que as entranhas do meu ser sejam repletas com a doçura de vosso sabor.

Que só de Vós tenha sede, ó fonte da vida e da sabedoria e da ciência e da luz eterna, torrente de delícias, riqueza da casa de Deus.

Só por VÓS anseie, só a Vós procure, só a Vós encontre, só para Vós tenda e vos alcance. Só medite em Vós, só de Vós fale, e tudo o que fizer seja para louvor e glória do vosso nome, com humildade e discrição, com amor e deleite, com bondade e afeto, com perseverança até o fim.

Sede, Senhor, minha única esperança, toda minha confiança, minhas riquezas, meu deleite, meu encanto, minha alegria, minha quietude e tranquilidade, minha paz, minha suavidade, meu perfume, minha doçura, meu pão, meu alimento, meu refúgio, meu auxílio, minha sabedoria, minha partilha, meus bens, meu tesouro.

Somente em Vós minha alma e meu coração estejam radicados de modo fixo, firme e inamovível. Assim seja.


O que necessita para se fazer uma boa comunhão

1. Estar em estado de graça.
2. Guardar jejum de pelos menos uma hora antes da comunhão. O ideal são três horas.
3. Saber Quem se vai receber, e aproximar-se da sagrada Comunhão com devoção.


Explicações sumárias:

A) Estado de graça quer dizer: ter a consciência limpa de todo pecado mortal. Comete sacrilégio i incorre na sentença de condenação quem recebe a comunhão em estado de pecado mortal.
B) Saber Quem vai receber, conhecer e acreditar firmemente o que a Doutrina católica ensina sobre este Sacramento. Ou seja, Jesus Cristo está real, verdadeira e substancialmente presente na Comunhão .
C) Com devoção? Aproximar-se com humildade e modéstia, tanto na própria pessoa como no modo de vestir, fazer preparação antes e, por cerca de 10 minutos s, a ação de graças depois da comunhão.
D) Ação de graças depois da comunhão: conservar-se recolhido, a honrar a presença de Nosso Senhor dentro de nos, renovando com atos de fé, de esperança, de caridade, de adoração, de agradecimento, de oferecimento e de súplica, pedindo sobre tudo aquelas graças que são mais necessárias para nós e para aqueles por quem somos obrados a rezar.
E) Como consequência, o dia da Comunhão, máxime se for diária, deve transcorrer no recolhimento, bem como cumpri com grande esmero os deveres de estado. Santa Teresa de Ávila dividia o dia em duas partes: a preparação, antes da comunhão, e as restantes 12 horas em agradecimento pela comunhão.
F) Permanência de Jesus em nos: com sua presença real enquanto não são consumidas as espécies eucarísticas, e com sua graça, enquanto não pecamos mortalmente. Reduzimos essa graça pelo pecado venial deliberado, e a aumentamos através de atos de virtude. 


Fonte.
+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

sábado, 19 de julho de 2014

Permanecei, Senhor, comigo!

Em certa ocasião São Filipe Neri, vendo que uma boa mulher, depois da comunhão – que o santo lhe tinha administrado - saiu diretamente para a rua, mandou dois coroinhas paramentados acompanhá-la com velas acesas, um de cada lado, durante todo o seu trajeto; era isso o que se fazia, durante muitos séculos, quando o padre andava pela rua com o Santíssimo Sacramento para levar a comunhão a um doente ou, como Viático, a um moribundo.  

A ação de graças, após receber a Comunhão, é um tempo que se reserva para agradecer a Deus vir morar em nós. Se dá em dois tempos: logo após a Comunhão e, em continuação, assim que a Missa acaba, com a saída do Sacerdote. É um tempo precioso, em que Cristo está verdadeiramente em nós, e nós devemos "fazer sala" a Ele, com devoção e recolhimento.

Há outros Atos de ação de graças no blog. 



Permanecei, Senhor,  comigo, porque é necessária a Vossa presença para não Vos esquecer.

Sabeis quão facilmente Vos abandono.

Permanecei, Senhor, comigo, pois sou fraco e preciso da Vossa força para não cair tantas vezes.

Permanecei, Senhor, comigo, porque Vós sois a minha luz e sem Vós estou nas trevas.

Permanecei, Senhor, comigo, pois Vós sois a minha vida e sem Vós esmoreço no fervor.

Permanecei, Senhor, comigo, para me dares a conhecer a Vossa vontade.

Permanecei, Senhor,  comigo, para que ouça a Vossa voz e Vos siga.

Permanecei, Senhor,  comigo, pois desejo amar-Vos muito e estar sempre em Vossa companhia.

Permanecei, Senhor,  comigo, se quereis que Vos seja fiel.

Permanecei, Senhor, comigo, porque, por mais pobre que seja minha alma, deseja ser para Vós um lugar de consolação e um ninho de amor.

Permanecei, Jesus, comigo, pois é tarde e o dia declina... isto é, a vida passa, a morte, o juízo, a eternidade se aproximam e é preciso refazer minhas forças para não me demorar no caminho, e para isso tenho necessidade de Vós.

Já é tarde e a morte se aproxima. Temo as trevas, as tentações, a aridez, a cruz, os sofrimentos, e quanta necessidade tenho de Vós, meu Jesus, nesta noite de exílio.

Permanecei, Jesus,  comigo, porque nesta noite da vida, de perigos, preciso de Vós. Fazei que, como Vossos discípulos, Vos reconheça na fração do pão, isto é, que a comunhão eucarística seja a luz que dissipe as trevas, a força que me sustente e a única alegria do meu coração.

Permanecei, Senhor,  comigo, porque na hora da morte quero ficar unido a Vós, senão pela comunhão, ao menos pela graça e pelo amor.

Permanecei, Jesus,  comigo, não Vos peço consolações divinas porque não as mereço, mas o dom de Vossa presença, ah! sim, vo-lo peço.

Permanecei, Senhor,  comigo, é só a Vós que procuro, Vosso amor, Vossa graça, Vossa vontade, Vosso coração, Vosso Espírito, porque Vos amo e não peço outra recompensa senão amar-Vos mais. Com um amor firme, prático, amar-Vos de todo o meu coração na terra para continuar a Vos amar perfeitamente por toda a eternidade.
 
Oração de Padre Pio. É uma oração de ação de graças, para depois da Comunhão. 


Vide mais sobre PADRE PIO: http://precantur.blogspot.com/2016/09/o-assunto-e-padre-pio-de-pietrelcina.html



+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Orações pela conversão dos hereges e cismáticos

I  -  Ó Maria Santíssima, Mãe de misericórdia e Refúgio dos pecadores, nós Vos suplicamos que Vos digneis olhar compassiva para os povos heréticos e cismáticos. Vós que sois o Trono da Sabedoria, iluminai o seu entendimento miseravelmente envolto nas trevas da ignorância e do pecado, a fim de que conheçam claramente que a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana é a única verdadeira Igreja de Jesus Cristo, fora da qual não pode haver santidade nem salvação. Terminai a sua conversão, alcançando-lhes a graça de abraçarem todas as verdades da nossa fé, e de se submeterem ao Romano Pontífice, Vigário de Jesus Cristo na terra, de sorte que, estreitamente unidos a nós pelos dulcíssimos laços da divina caridade, não haja senão um só rebanho e um só Pastor, e todos possamos, ó Virgem gloriosíssima, cantar eternamente, transportados de júbilo: Alegrai-Vos, Virgem Maria, Vós é que exterminastes todas as heresias. Amém.

(500 dias de indulgência)

(Fonte: "As mais belas orações de Santo Afonso", CSSR, Editora Vozes, Petrópolis – 1961, página 626). 







II.-  Ó Virgem poderosa, que, única, destes golpe mortal a todas as heresias em todo o mundo, dignai-Vos de libertar o universo cristão dos laços do demônio. Volvei os Vossos olhos misericordiosos às almas seduzidas pela astúcia de satanás, para que, rejeitando o veneno das heresias, os corações transviados se arrependam e voltem à unidade da verdade católica, mediante a Vossa poderosa intercessão junto a Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, que vive e reina em união com Deus Pai, em união do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. Amém.

(100 dias de indulgência)


(Fonte: "Adoremus – Manual de orações e exercícios piedosos", Dom Frei Eduardo José Herberhold, OFM, Recife – 1929, XV edição, página 291).


+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

quinta-feira, 17 de julho de 2014

L’Arbre de Vie - A Àrvore de Vida


Cet arbre m'est une plante de Salut Éternel,

De Lui je me nourris, de Lui je me repais.

Par ses racines, je m'enracine
et par ses branches, je m'étends.

Sa rosée me réjouit
et son esprit comme un vent délicieux me fertilise.

A son ombre, j'ai dressé ma tente,
et fuyant les grandes chaleurs
j'y trouve un abri plein de rosée.

Ses feuilles sont ma frondaison,
ses fruits mes parfaites délices,
et je jouis librement de ses fruits,
qui l'étaient depuis l'Origine réservés.

Il est dans la faim ma Nourriture,
dans la soif ma Source
et mon Vêtement dans la nudité
car ses feuilles sont l'Esprit de vie…

Quand je redoute Dieu, Il est ma protection
et quand je chancelle mon appui,
quand je combats mon prix
et quand je triomphe mon trophée.

C'est pour moi le Sentier étroit et la Route resserrée ;
c'est l'Échelle de Jacob et le Chemin des Anges
au sommet duquel le Seigneur est vraiment appuyé.

Cet arbre aux dimensions célestes
s'est élevé de la terre aux Cieux, se fixant,
plante éternelle, au milieu du Ciel et de la terre,

Soutien de Toutes choses et appui de l'univers,
support de Toute terre habitée et joint du monde,
tenant assemblée la variété de la nature humaine
et cloué par les chevilles invisibles de l'Esprit,
afin qu'ajusté au Divin, Il n'en soit plus détaché.

Touchant par son faîte le sommet des Cieux,
affermissant la terre par ses pieds
et étreignant de Tous côtés par ses mains immenses
l'esprit nombreux de l'air entre le Ciel et la terre,
il était Tout entier en Tout et partout. Amen !


Saint Hippolyte de Rome (170-235) – Traité sur la Pâque
 

Fonte: http://bibliothequedecombat.wordpress.com/2013/03/29/larbre-de-vie/.

Leia também aqui, uma tradução de parte do texto e uma biografia do Santo, em português: http://www.canonigos.org/2010/03/23-de-marco-de-2010-%E2%80%93-rezar-com-santo-hipolito-de-roma/.


+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 16 de julho de 2014

ROMANCE DAS IGREJAS DE MINAS

 

"Minha alma sobe ladeiras,

Minha alma desce ladeiras

Com uma candeia na mão,

Procurando nas igrejas

Da cidade e do sertão

O gênio das Minas Gerais

Que marcou estas paragens,

Estas sombras benfazejas,

Estas frescas paisagens,

Estes ares salutares,

Lavados, finos, porosos,

Minerais essenciais,

Este silêncio e sossego,

Estas montanhas severas,

Esta antiga solidão,

Com o sinal do seu lirismo,

Com a cruz da sua paixão.

Templos de Minas Gerais.

Das cidades e arraiais,

Templos em pedra-sabão

De Sabará e Mariana,

De Ouro Preto, de Ouro Branco,

De Brumado a Catas Altas,

De Santa Rita Durão,

Santa Bárbara, Congonhas,

Cachoeira, São João del Rei,

Tiradentes, Caeté:

Quantas vezes meditei

Os novíssimos do homem,

Que o século não consome

Nem a ciência destrói,

Nesses templos soberanos,

De riscos audaciosos,

De curvas acentuadas,

De linhas voluptuosas,

Íntimos, doces, profanos,

Refinados, populares,

Que inspiram poesia e dó,

Nesses Carmos e Pilares,

Nesses Rosários e Dores,

Nesses Perdões e Mercês,

Em São Francisco de Assis,

Em Nossa Senhora do Ó!

Em capelinhas caiadas

Na colina levantadas,

Vestidas de branco e azul.

Minha alma desce ladeiras,

Minha alma sobe ladeiras,

Desce becos, sobe vielas

Com uma candeia na mão,

Procurando a forma altiva

Da cruz, viva tradição,

Pedra de ângulo, base

Da rude religião.

Diviso lívidos Cristos,

Diviso Cristos sangrentos,

Monumentos de terror,

O Cristo da Pedra Fria,

O Senhor da Cana Verde,

O Cristo atado à coluna,

O Senhor morto esticado

Envolto em roxo sudário

Debaixo do próprio altar.

Vejo agora mãos chagadas,

Nossa Senhora de espadas

Cravadas no coração,

Coroas de espinhos, vasos

Por onde escorreu o fel,

Tíbias, caveiras coroadas,

Pinturas já desmaiadas

Nas telas emolduradas

Em forma de medalhão,

Figurando o Paraíso,

A Trindade, a Anunciação,

O Lava-pés, o Batismo,

A Morte e a Ressurreição;

Relicários, oratórios,

Pelicanos de coral,

Sinistro baixo-relevo

Das almas do Purgatório

Libertas por São Miguel,

Longas lanças de Longuinho,

Atlantes do Aleijadinho,

Portas, púlpitos, profetas

Marcados por seu cinzel,

Redondos anjos barrocos

Que o toreuta retorceu,

Arabescos sensuais,

Apóstolos duros, secos,

Peregrinos medievais

Revestidos de amplos sacos,

Marchando com seu bastão;

Calvários extraordinários,

Tarja com estrelas e asas,

Tocheiros, lâmpadas, lustres,

Galerias, balaústres,

Grades em jacarandá,

Querubins, anjos-aurora

De estranhos panejamentos,

Com as asas espalmadas,

Lavabos de sacristias

Feitos de pedra-sabão,

Tetos altos do Ataíde

Exaltando a religião;

Paredes em faiscado,

Consistórios, corredores

Onde vagueiam fantasmas

De poetas inconfidentes,

De frades conspiradores;

Oleogravuras mostrando

A Via-Sacra da Paixão,

Carátulas, gárgulas negras,

Colunas tremidas, gregas,

Caixas pedindo dinheiro

Em antiquados letreiros

De oremus e ora pro nobis,

Ex-votos comemorando

Curas por intercessão:

E a nobre talha dourada,

Patinada, trabalhada,

As imagens ressaltando

De nossos oragos, tantos

Santos de esgarçados mantos,

De arbitrárias cabeleiras,

Roxas, pisadas olheiras,

Os membros caídos, feridos,

Desfeitos, desmilinguidos,

Contemplando comovidos

O descimento da cruz.

Minha alma sobe ladeiras,

Minha alma desce ladeiras

Com uma candeia na mão,

Ilumina embevecida

Seus santos de devoção,

Companheiros vigilantes

Da cruz da sua paixão,

Que deu corpo, força e vida

Aos templos de pedra-sabão:

São Pedro, Santo Isidoro,

São Gregório, São Leão,

Santa Bárbara, São Jerônimo,

São Paulo, Santa Juliana,

Sant'Ana, São Sebastião,

Santa Águeda, Santa Mônica,

São José, Santa Verônica,

São Francisco, Santa Clara,

São Policarpo, São João.

A igreja agora agasalha

Uma densa multidão

Que procura comovida

Nos mistérios redivivos

Da nossa religião

Novo alento, luz e vida,

Sustento, consolação.

Sinos de bronze ressoam,

Ressoam sonoros sinos:

Vejo figuras de orantes,

Orantes e comungantes

Com os abraços estendidos

Orando íntima oração:

Assim se vê nas pinturas

Das antigas catacumbas,

Nos mosaicos bizantinos,

Mulheres, moços, meninos,

Catecúmenos, anciãos,

Assim oravam outrora

Os primitivos cristãos.

Vejo beatos sofredores

Trazendo bentinhos, fitas,

Rezando gastos rosários,

De olhos fixados no céu,

Velhas bíblicas, severas,

Nos ombros escapulários,

Perfil talhado a formão,

Muitas vestem à maneira

De senhoras de outras eras

Com filó preto, fichu,

Dona Engrácia, Dona Urbana,

Don'Ana, Dona Juju;

Irmãos da santa Irmandade

Encostados às paredes,

Pensando na procissão,

Vaidosos nas opas verdes,

Vermelhas, brancas, violetas;

Pretos de vela na mão,

Pretinhas de laçarotes,

Rapazes em seus capotes

Cor de cinza e vermelhão,

Garotinhos retorcidos

Descendentes dos garotos

Que inspiraram o Aleijadinho

Nos anjos do medalhão.

A grande ação começou:

A sublime teologia

Revela a sabedoria

Do sacrifício inefável,

Do mistério universal

De que todos participam

Na terra, no ar, no céu,

Unidos na comunhão

Do Deus eterno, uno e trino,

De um só e mesmo batismo,

Uma só fé, um só pão.

Vozes ascendem aos ares

Que desprezam o cantochão,

Rompe um canto pela nave

A Santa Maria Eterna,

Um canto sentimental

Que ofende a liturgia,

Fonte viva, genuína,

Da santa religião,

Mas que toca a alma ingênua

Do povo rústico e chão.

Agora um baixo-profundo

Canta um hino de paixão,

Esconjura o diabo imundo,

Clama os pecados do mundo

Em longa lamentação,

Chorando com gravidade,

Chorando oculto nas grades

As saudades de Sião.

Mas chega a missa ao momento

De maior concentração,

Surdo silêncio se faz.

Abre-se agora o sacrário,

No seu recesso repousa

O Cristo em sua nova lei,

Já que o antigo documento

Cede ao novo testamento,

Cede ao novo mandamento,

Mistério de caridade.

Mistério de santidade

E total despojamento

O sacramento do altar,

Ação da Comunidade,

Saúde, força, sustento,

Ante o qual todo elemento

Se inclina para adorar.

O celebrante apresenta

À Santíssima Trindade,

Em nome da humanidade,

Ao Pai eterno clemente,

Ao Filho, Verbo humanado,

Ao Espírito Divino,

Unidos na caridade

Por um nó que não desata,

O corpo de Nosso Senhor

Na santa cruz imolado,

Vencendo assim o pecado

Pela presteza do amor.

O Cristo, homem compassivo,

Deus trasladado do Céu,

Transferido à dura terra,

Solidário na sua dor,

Se reparte nos fiéis

Que traçam cruzes nos ares

Relembrando a salvação,

Curvando-se ante os altares

Onde se aprende, esculpida,

Em silêncio oferecida,

Na talha e pedra-sabão,

Ao culto do Deus criador,

A história da Encarnação,

Paixão e Ressurreição

De Cristo Nosso Senhor.

Murmuram o Agnus Dei.

O celebrante despede

O povo, "Ite missa est",

Para este cumprir na rua

O que no templo aprendeu,

Depois lê meio apressado

O evangelho de São João,

Cosmogonia do Verbo;

E afinal com o povo todo

Recita a Salve-Rainha,

Santa e solene oração.

Senhora benigna e pura,

Mãe de esperança e doçura

A quem todos nós bradamos,

Gememos e suspiramos

Neste desterro do céu,

Os olhos consoladores,

Clementes, a nós volvei,

Vossos filhos pecadores,

E mais tarde nos mostrai,

Espelho de todo o bem,

Depois de serena morte,

A face do Cristo, amém.

A multidão se dispersa

Nos seus trajos domingueiros,

Cada um retorna ao lar.

Minha alma sobe ladeiras

De Ouro Preto e Mariana,

De Sabará e São João,

Evoca no ar lavado

O drama da Redenção.

Minha alma sobe ladeiras,

Minha alma desce ladeiras

Com uma candeia na mão,

Procurando comovida,

Procurando comovida

A cruz da sua paixão,

Que deu corpo, alento e vida

Aos templos de pedra-sabão.

Por isso escrevi um canto

Com palavras essenciais,

Baseado na beleza

Da antiga Minas Gerais,

Inspirado na grandeza

Da rude religião,

Princípio e fim da existência,

Essência da perfeição,

Origem de todo o bem,

Penhor de ressurreição,

Doutrina de vida inteira,

Em louvor do Cristo, amém."

(Murilo Mendes)



Onde adquirir o escapulário: http://edicoescristorei.wixsite.com/editoramcr/escapularios


+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

.